SES-RJ autoriza antecipação da segunda dose de vacina contra Covid-19

A exemplo de vários estados do Brasil, o Governo do Estado do Rio de Janeiro – através da Secretaria de Estado de Saúde (SES) – em consenso com o Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems), anunciou que o estado autorizará os municípios a anteciparem de 12 para oito semanas a aplicação da segunda dose da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19. A decisão foi anunciada em coletiva realizada no começo da tarde desta terça-feira, dia 13, pelo governador Cláudio Castro, e pelo secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe, no Palácio Guanabara, sede do governo.

Segundo Castro, foram levados em consideração aspectos como a quantidade de doses que as cidades já têm em estoque para completar o esquema vacinal da população e a entrada de novas variantes da Covid-19 no estado.

– Essa não é uma decisão monocrática do Estado e sim, pactuada com o Conselho de Secretarias Municipais. Há uma preocupação com armazenamento pelos municípios para não haver perda de doses. Não há nenhum prejuízo nessa antecipação. Nosso objetivo é que tenhamos pessoas imunizadas mais rápido para evitar a infecção pela Covid-19 entre as duas doses. Por causa das novas variantes, a decisão foi bem pensada e debatida – afirmou o governador Cláudio Castro.

A medida – que visa acelerar ainda mais o esquema vacinal e está prevista na bula da vacina – será publicada pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), nesta terça-feira, dia 13. A deliberação reduz o intervalo de aplicação entre as doses da vacina Astrazeneca, e tem o apoio de um grupo de especialistas que assessoram a secretaria. Os médicos infectologistas Roberto Medronho, Alberto Chebabo e Celso Ramos, além do virologista Amilcar Tanuri, estão entre os pesquisadores que apoiam a ação.

– Não há perda de eficácia quando a aplicação for dentro do período entre 8 e 12 semanas. Nossa preocupação é que as doses estão paradas nos municípios e poderiam ser perdidas. E, além disso, dentro de um cenário, temos a entrada da variante Delta. Os estudos no Reino Unido apontam que, somente com a aplicação da segunda dose, é possível bloquear a possibilidade de transmissão das variantes. Temos a expectativa de que, com a redução do intervalo entre as doses, caia também o número de pessoas que não está voltando para a segunda aplicação. Todas as decisões estão sendo pactuadas com o Conselho de Secretarias Municipais, assim como foi feito no calendário unificado – ressaltou o secretário de estado de Saúde, Alexandre Chieppe. Para Chieppe, os municípios têm autonomia para já agendar a aplicação da segunda dose.

“NÃO FAÇAM ESCOLHA POR VACINA”
O Governo ainda reforça a importância de que as pessoas voltem aos locais de vacinação para a aplicação da segunda dose, pois somente com o esquema vacinal completo, a população estará efetivamente imunizada. Cláudio Castro ressaltou que, quanto mais pessoas estiverem imunizadas, a tendência é que tenhamos menos mortes e menor ocorrência de casos graves da doença. Além disso, é a vacinação em massa que vai permitir o retorno de todas as atividades no estado. O governador fez um apelo para que as pessoas não escolham vacinas pelo fabricante.

– Vacina é a esperança. Não façam escolha pela vacina X ou Y. Tomem também a segunda dose. A retomada depende disso. Você, que tomou a dose 1, volte para a dose 2 dentro do tempo determinado por cada imunizante e pela prefeitura – alertou.

No momento, a medida serve apenas para quem foi imunizado com a AstraZeneca, não se aplicando aos imunizantes dos demais fabricantes (Coronavac, Janssen ou Pfizer).

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.