Estado do Rio de Janeiro está sob risco de epidemia de sarampo

Cobertura vacinal em muitas cidades fluminenses estão abaixo da meta

Na manhã desta quinta-feira, dia 23, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-RJ) divulgou dados preocupantes sobre o sarampo no estado do Rio de Janeiro. Segundo um levantamento feito pela pasta, de 1º de janeiro de 2019 até o último dia 19 deste mês foram notificados 1.315 casos da doença, sendo 422 confirmados e outros 280 casos em investigação. A divulgação aconteceu durante uma webreunião promovida pela SES, realizada na página da Telessaúde RJ, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Ainda segundo o mesmo levantamento, a maioria dos casos está concentrada nos municípios de Duque de Caxias, com 164 casos, e na capital fluminense, com 106 registros. Dezesseis desses casos foram importados de São Paulo e um de Nova Iguaçu. As maiores vítimas do sarampo são bebês entre 6 e 11 meses de idade e crianças entre 1 e 4 anos, o que motivou o Ministério da Saúde a promover a campanha da chamada “dose zero” entre crianças que ainda não completaram um ano.

A webreunião, organizada pela Coordenadoria da Ação Primária da SES, contou com a participação da conselheira de Saúde de Resende, Ana Lúcia Corrêa de Souza, que se disse preocupada com o risco de uma epidemia no estado do Rio de Janeiro. “A informação de que o Rio de Janeiro pode ultrapassar São Paulo (em número de casos) é no mínimo preocupante. Vamos levar essas informações para a próxima reunião do Conselho Municipal de Saúde de Resende para tentarmos colaborar com uma maior cobertura na região”.

No momento, não há casos confirmados de sarampo na região. Os municípios mais próximos com casos confirmados são Angra dos Reis, com um caso, e Paraty, com 12, ambos da Região da Costa Verde. Em relação à cobertura vacinal da duas doses da Tríplice Viral (vacina que protege de sarampo, caxumba e rubéola), a maioria dos municípios ainda não atingiu a meta de 95% do Ministério da Saúde. Na Região das Agulhas Negras, o levantamento da SES aponta que apenas Itatiaia atingiu a meta. Porto Real tem 89% de cobertura. Quatis e Resende ficaram com 91% de cobertura na primeira dose. O que preocupa é que a imunização precisa da segunda dose, e nesse caso, os índices são muito piores. Resende, por exemplo, só chega a 75% da cobertura.

Municípios como Barra Mansa só tem 59% e Volta Redonda com 66% de cobertura na segunda dose. Em cidades da Baixada Fluminense (Nilópolis e Seropédica), e Região dos Lagos (Saquarema e Macaé), a situação ainda é mais crítica, já que a cobertura está abaixo de 50%.

Também preocupada com essa possibilidade, a SES realiza desde o dia 13 a campanha “RJ contra o Sarampo”, convocando a população entre seis meses e 49 anos para ser vacinada contra a doença nas unidades básicas de saúde. A expectativa segundo o órgão, é que, este ano, ocorram no estado mais de dez mil casos da virose, que, em 2016, estava erradicada no Brasil. Para o secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos, o movimento antivacina, defendido por alguns grupos e propagado em redes sociais, foi um dos fatores que culminaram para a volta da doença.

— A população precisa se certificar que está imunizada. O sarampo mata, e a vacinação é uma responsabilidade com a própria proteção, mas também com a da família, dos amigos e de pessoas próximas. Estamos convidando todos a aderirem à campanha, para gerarmos uma verdadeira mobilização pela saúde do estado do Rio de Janeiro – convoca o secretário.

VACINAÇÃO
Enquanto isso, as prefeituras da região já estão promovendo campanhas para vacinar não apenas as crianças menores, mas também o público-alvo entre 1 e 49 anos, especialmente pessoas que não receberam as duas doses da vacina ou que não sabem se receberam todas as doses. Em Resende, a imunização vem sendo intensificada desde o começo do ano. Em todas as cidades acontece no dia 1º de fevereiro o Dia D da vacinação, quando os postos estarão abertos durante todo dia (de 8 às 17 horas) para oferecerem a vacina à população.

Em Quatis, a programação de vacinação contra o sarampo acontece segunda-feira (Clínica da Família); terça-feira (Casa da Criança); quarta-feira (posto do Mirandópolis); quinta-feira (posto do Jardim Independência) e sexta-feira (posto do Jardim Pollastri). As unidades médicas funcionam de segunda a sexta-feira, de 8 às 17 horas.

Foto: Reprodução/datasus.gov.br

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.