No Dia de Hoje – 17 de maio

América Latina tem se engajado durante o dia 17 de maio, como em El Salvador, onde a ativista LGBTIQ+ Bianka Rodriguez (com a bandeira arco-íris) representa grupo em país da América Central, no ano de 2021 (Foto: Daniel Dreifuss/Reprodução)

No dia 17 de maio é celebrado o Dia Internacional Contra a Homofobia, a Transfobia e a Bifobia, e tem como objetivo coordenar eventos internacionais que aumentem a conscientização sobre as violações dos direitos LGBT e estimulem o interesse pelo trabalho pelos direitos LGBT em todo o mundo.

Os fundadores do Dia Internacional contra a Homofobia, como era originalmente conhecido, estabeleceram o Comitê IDAHO para coordenar ações de base em diferentes países, promover o dia e fazer lobby pelo reconhecimento oficial em 17 de maio. Essa data foi escolhida para comemorar a decisão de retirar a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1990.

O dia, como um conceito, foi concebido em 2004. Uma campanha de um ano culminou no primeiro Dia Internacional Contra a Homofobia em 17 de maio de 2005. Vinte e quatro mil indivíduos e organizações como a Associação Internacional de Gays e Lésbicas (ILGA), a Comissão Internacional de Direitos Humanos de Gays e Lésbicas (IGLHRC), o Congresso Mundial de Judeus LGBT e a Coalizão de Lésbicas Africanas assinaram um apelo para apoiar a “iniciativa IDAHO”. As atividades do dia aconteceram em muitos países, incluindo os primeiros eventos LGBT a acontecer no Congo, China e Bulgária.

A data de 17 de maio foi especificamente escolhida para comemorar a decisão da Organização Mundial da Saúde em 1990 de desclassificar a homossexualidade como um transtorno mental.

Em 2009, a transfobia foi adicionada ao nome da campanha, e as atividades daquele ano se concentraram principalmente na transfobia (violência e discriminação contra pessoas trans). Uma nova petição foi lançada em cooperação com organizações LGBT em 2009 e foi apoiada por mais de 300 ONGs de 75 países, bem como três ganhadores do Prêmio Nobel (Elfriede Jelinek, Françoise Barré-Sinoussi e Luc Montagnier). Na véspera de 17 de maio de 2009, a França se tornou o primeiro país do mundo a remover oficialmente transgêneros de sua lista de doenças mentais.

Louis-Georges Tin e dois outros membros do Comitê iniciaram uma greve de fome em junho de 2012 para impelir o presidente francês Hollande a apresentar uma resolução da ONU que descriminalizasse a homossexualidade. Tin foi o fundador da época e atuou como presidente do comitê até sua renúncia em setembro de 2013. Ele foi sucedido pela internacionalmente renomada ativista de direitos trans venezuelana, advogada e professora de direito Tamara Adrián, que se tornou uma das primeiras legisladoras trans da América Latina em 2015. A palavra Bifobia foi adicionado ao nome da campanha no mesmo ano.

O principal objetivo das mobilizações de 17 de maio é aumentar a conscientização sobre violência, discriminação e repressão de comunidades LGBT em todo o mundo, o que, por sua vez, oferece uma oportunidade de agir e dialogar com a mídia, legisladores, opinião pública e sociedade civil em geral .

Um dos objetivos declarados para o dia é criar um evento que possa ser visível em um nível global sem a necessidade de se conformar a um tipo específico de ação. Essa abordagem descentralizada é necessária devido à diversidade de contextos sociais, religiosos, culturais e políticos em que ocorrem violações de direitos. Como tal, isso leva a uma variedade de eventos e abordagens para comemorar o Dia Internacional contra a Homofobia.

O dia é particularmente forte na Europa e na América Latina, onde é comemorado com eventos públicos em quase todos os países. Ações comuns incluem passeatas, desfiles e festivais de grande escala. Em Cuba, por exemplo, Mariela Castro organizou um grande desfile de rua em homenagem ao dia 17 de maio nos últimos três anos. No Chile, em 2013, 50 mil pessoas foram às ruas para comemorar o dia 17 de maio e a VIII Marcha pela Igualdade em Santiago.

Eventos culturais e artísticos também são comuns no mundo. Por exemplo, ativistas de Bangladesh, na Ásia, organizaram o festival de música “Love Music Hate Homophobia” em 2013. Ativistas LGBT albaneses, na Europa, organizaram, em 2012 e 2013, um passeio anual Bike (P) ride para o dia 17 de maio pelas ruas da capital Tirana. Também em 2013, o Comitê do dia convocou ações internacionais para um Global Rainbow Flashmob para marcar em 17 de maio. Ativistas em 100 cidades, em 50 países participaram de diversos eventos públicos, abrangendo lançamentos de balões coloridos, flashmobs de dança, eventos musicais e performance e arte de rua.

No Brasil, no ano de 2010, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou uma lei que instituiu no país o dia 17 de maio como o Dia Nacional Contra a Homofobia. Em 17 de maio de 2021, o Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia foi oficialmente reconhecido e comemorado por mais de 130 países diferentes em todo o mundo.

Fonte: Wikipédia

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.