“Chico Buarque no Olho Mágico” vem aí

Oi, pessoal, estou voltando de um recesso de uma semana. E retorno à coluna com uma abordagem egocêntrica, vamos dizer assim. Vou usar este espaço para falar de um trabalho meu. Depois do romance “QUE DELÍCIA DE CADETE! – MEMÓRIAS DE UMA CADETINA DEPRAVADA” que alguns bem humorados chamaram de “50 tons de pinga” e, do romance futurista para leitores juvenis, “CRÔNICA DA MEIA NOITE – O DRAGÃO ALÇOU VOO”, estou lançando um livro de contos intitulado: “CHICO BUARQUE NO OLHO MÁGICO”, pela Chiado Books.

O livro já está disponível para pré-venda em livrarias parceiras da editora. A pré-venda ficará disponível até que o livro seja oficialmente lançado. Pré-venda nos links abaixo:

Livraria Martins Fontes; Livraria da Travessa; Amazon (e-book); Kobo (e-book); Fnac Portugal (e-book); Google Books (e-book)

A pré-venda dos livros físicos só acontecerá nas livrarias brasileiras parceiras da editora, citadas acima. Mais adiante informarei quais as livrarias da nossa região estarão comercializando o livro. O dito cujo também estará disponível no Site da Chiado quando sua impressão estiver concluída, em torno de um mês e meio.

Os contos

Difícil fazer um resumo em poucas linhas de treze contos e um posfácio (Esse cara). Abaixo essa tentativa de sinopse das histórias que compõem a peça:

“Neste apanhado de histórias de estilos distintos vamos topar com personagens reais, nebulosos, estranhos. Como o que é atormentado e fascinado por uma cor que o acompanha desde sempre ou como outro que às voltas com um monstruoso inseto que invadiu sai casa, esbarra em novos e velhos problemas. Há a jovem militante que amadurece com sonhos de luta e um passado preso em versos de uma canção na parede de um restaurante; há o heterônimo português que perambula pelo tempo. A pandemia e o isolamento social também estão presentes no delírio de um escritor, como a menina no sonho, a cebola, o pavor, os elos de uma corrente e até na história título do livro, quando o personagem bate-perna ou tenta escapar, tropeçando em crias e criaturas do homem com olhos cor de ardósia, que foi até sua casa”.

Nesses tempos de pandemia, isolamento social, tristeza e desalento, fica difícil, quase impossível o lançamento de livros nos moldes tradicionais. Mesmo com a vacina chegando teremos que esperar. Vamos ver o que fazer nesse sentido. Conto com a sede de leitura de vocês e a solidariedade para com um escritor desconhecido e que muito provavelmente terá seu time de coração disputando a segunda divisão este ano. Um abraço e até a semana que vem.

Fotos: Divulgação

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.