O sentimento do cronista

O cronista vai embora. Vai ver o sol nascer diferente por outra janela. O cachorro sente a partida. Dorme a noite inteira enrolado no lugar que lhe serve de castigo. O cronista vai como se atravessasse uma rua. Olha para um e outro lado, mas não espera que todo fluxo cesse. É preciso atravessar e a vida é como esse grande rio Paraíba: um andamento grosso e duradouro nascendo sobre si mesmo.

Justamente porque vai embora o cronista faz hoje o que vem fazendo aqui há anos: tudo do mesmo jeito porque tudo teve sempre um jeito gostoso de ser feito. Está lá na cerca o cocho com canjiquinha e alpiste para os passarinhos; os mamoeiros estão sendo regados e o café perfuma a cozinha. Foi aqui que o cronista aprendeu a amar o inverno, sem que com isso odiasse o verão. É uma questão de necessidade e a natureza, essa maravilha, é cheia de necessidades.

O que o cronista deixa para trás tem a moldura das suas lágrimas. Tantos belos quadros que esses olhos viram estavam envoltos por molduras. O artista sabe que a obra lhe pertence apenas enquanto é produzida; apenas enquanto é processo. Depois de pronta a obra de arte pertence a quem aprecia. O nome do artista não é a obra é o nome do artista. Talvez esse pensamento console o cronista que vai.

Tanta razão! E se ela não for suficiente? Então o cronista há de confiar naquilo que lhe acorda nas madrugadas de julho, que faz lhe faz perder o ônibus sob a chuva de dezembro, que lhe faz parar e olhar para a alta copa da árvore indo e vindo ao vento, que lhe faz ficar pensando nos objetos embrulhados dentro das caixas de papelão.

Ah, é o que não é isso senão o sentimento! O Sentimento do cronista!

Rafael Alvarenga
Escritor e professor de Filosofia
ninhodeletras.blogspot.com.br

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.