Ajustes para “levar” à Mesa da Câmara de Resende blindam vereador Tisga que deverá assumir Secretaria no governo Balieiro Diniz

Dentro das intenções da chapa perdedora que disputou a Mesa Diretora da Câmara de Resende para o biênio 2019/2020, além de tentar emplacar uma segunda votação (questionável sobre sua validade) para dezembro ou a formação de novas chapas anulando a eleição ocorrida dia 27 de março, que deu vitória à chapa 2, no desempate pelo critério de idade, tendo como presidente o vereador Edson Peroba (PPS) contra a chapa liderada pelo vereador Tisga (PPS), que desde que assumiu a liderança do governo e passou a ser o nome da quebra de acordo entre os vereadores, dividiu os colegas. Afinal, havia um acordo em que parte dos vereadores acreditou que seria cumprido: depois de Roque Cerqueira (PDT), Peroba era o nome de consenso. Agora, há uma maneira de blindar a imagem e nome de Tisga que cairá para cima, como se diz no popular.

Depois da surpresa da eleição, quando o vereador Odair Ozório (PSD) se absteve mesmo integrando a chapa de Tisga, o presidente apesar de ter declarado a vitória da chapa 2 vem tentando manobras para anular o resultado. Assinou Ato que, a princípio parece díspar ao Regimento Interno e nitidamente sem a maioria na Câmara, mesmo com a ajuda do prefeito Diogo Balieiro Diniz (DEM), Cerqueira tem se reunido diariamente com sua procuradoria que vem endossando as atitudes unilaterais sem colocar as decisões para o pleno da Câmara. O Legislativo tomou corpo de Executivo e o presidente – dentro do que diz o Regimento Interno – vem extrapolando suas atribuições e decisões.

Com a benção do prefeito, o vereador Tisga deverá assumir uma Secretaria no governo. Já exonerado o secretário de Indústria e Comércio, Raphael Gattás, que será candidato este ano, abre uma vaga no primeiro escalão. Acredita-se que o prefeito alinhará outras secretarias para entregar nas mãos de Tisga uma pasta que trate de questões da área social. Sendo assim, assume o suplente do PPS, o advogado Raphael Saldanha. Provavelmente, essa ação já se dê na próxima semana. Não à toa, o prefeito se reuniu com Cerqueira, Tisga e Sandro Ritton (outro vereador do PPS), dia 9, para os ajustes finais de blindagem do vereador Tisga que agora passará a receber vereadores, inclusive aqueles que estão em posição contrária hoje na Câmara e assim, tentar anular a eleição da Mesa para formar uma nova chapa de consenso. Acreditam no tempo e nos “argumentos” de ano eleitoral.

O clima na Câmara Municipal é um dos piores. Cerqueira ficou frustrado em não conseguir emplacar seu sucessor como imaginava logo no primeiro semestre do ano e assim ficar tranquilo para uma possível campanha este ano, caso sua candidatura se confirme. Caça às bruxas é o termo mais cochichado entre servidores e assessores que torcem para 2018 passar rapidamente. Faltam oito meses e até lá ninguém tem esperança que caia a ficha de Cerqueira sobre suas competências e responsabilidades deixando interesses de grupos à margem dos interesses públicos, afinal ele está presidente.

O fato é que se confirmado o nome do vereador Tisga para o governo, cai ainda mais a maioria de apoio às ações do presidente. Mas, a carta na manga poderá ser o convite de Balieiro Diniz a um vereador que integra o outro grupo para ser seu líder de governo, e a contar a vaidade e vantagens que têm lugar em todas as cadeiras da CMR é aguardar para conferir.

Perguntar não ofende, né? Por onde anda a direção do PPS de Resende que vê essa guerra entre os vereadores do seu partido e silencia?

Ana Lúcia
editora do jornal BEIRA-RIO
Blog da Ana Lúcia (alcs.wordpress.com)

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.