Vinícius de Moraes em Itatiaia

O ator André Whately conseguiu aprovar junto ao Estado, um projeto de incentivo cultural. A partir daí produziu um vídeo que fala da passagem do poeta Vinícius de Moraes, por nossa região. Com roteiro do Lu Gastão, do Marcos Cotrim e dele mesmo que também dirige e, apresenta o filme. “Vinícius de Moraes em Itatiaia” tem cerca de quinze minutos e mostra uma vertente da vida e da arte do “poetinha” que, certamente pouquíssima gente conhece. A obra conta ainda com a participação de Marie Louise Goranson, Andréa Brandão, Augusto Martins, Pedro Luz, Marcella Dias, Sonita Palmer, Germano Vargas, Marcel Powell, Romilda Viegas, Carol Amaral, Mônica Izidoro e um ótimo time de técnicos que o André conseguiu reunir. É só colocar no YouTube: ‘Vinícius de Moraes em Itatiaia’ e curtir o vídeo e ficar sabendo como nossa região teve um papel importante na obra desse imenso artista. E se tem alguém que pode falar de Vinícius de Moraes esse alguém é o André Whately. Alguém duvida? Pra quem não sabe, o seu espetáculo de poesia, teatro e música “Vinícius de Moraes é…demais” que ele criou, atua e dirige está em cartaz há mais de vinte e cinco anos. Falando nisso, o espetáculo estará sendo reapresentado no Jazz Village, em Penedo, nesses dias 23 e 24. Reservas: (24) 3351-1275 ou (24) 99330-0168.

DIMAS MORAES E AS MINI-HISTÓRIAS
Estou acabando de ler o livro ‘Mini-histórias sobre mulheres’ do Dimas Moraes. São vinte e um contos rápidos, um painel interessante com mulheres das mais variadas origens, formação e cultura. A apresentação é de uma mulher, claro, da jornalista e escritora, Giovana Damaceno. Diferente do Dimas, eu não tenho o talento nem a técnica para analisar. Não sou crítico literário. Mas gosto de contar histórias também: Pouco tempo depois que ele me presenteou com o livro, um amigo viu e, fanático por histórias curtas, pediu emprestado. Emprestei com a promessa de que me devolveria. Afinal, eu ainda não lera. E era um livro autografado pelo autor. Mas aí veio o tal corona vírus e entrei na quarentena, no isolamento e, só fui reencontrar o amigo há poucos dias. O amigo e o livro. Sei que o Dimas já lançou outro volume de contos, as mini-histórias, agora, sobre homens. Qualquer dia falo dele.

POESIA NA QUARENTENA
Na impossibilidade de usar os palcos, hora de reinventar espaços. Nesta quinta-feira (22/10), às 22h45, na TV Cultura, a repórter Renata Simões apresenta o especial:  Poesia na Quarentena. Vai bater um papo com poetas clássicos e contemporâneos para saber como a pandemia da Covid-19 atravessou seus trabalhos e influenciou sua produção. No documentário, o público confere entrevistas inéditas e um compilado de reportagens que foi ar no Jornal da Tarde. Entre os entrevistados estão Rincon Sapiência, Augusto Massi, Tadeu Jungle, Augusto de Campos, Lenora de Barros, Mel Duarte, Marcelino Freire, Carlos Rennó, Nelson Ascher, JP Cuenca, entre outros.

UMA NOTINHA DE SILÊNCIO PELAS VÍTIMAS
Especialistas garantem que para cada morte por Covid-19 são impactadas nove pessoas. São dependências econômicas, emocionais, etc. Agora imaginem: 160 mil mortos (estamos chegando lá) vezes nove, dá mais de um milhão de quatrocentas mil pessoas abaladas diretamente pela ausência de pai, do filho, da mãe, irmã, primo. Do amigo. São milhares de famílias destruídas emocionalmente, economicamente e por aí vai. Não dá pra considerar natural ou normal, essa tragédia. E essas mortes estão na conta desse senhor que senta na principal cadeira do Executivo Federal. O Brasil foi o único país que não se preparou para enfrentar a pandemia. Vivemos realmente tempos esquisitos. Tempos que lideranças do governo escondem dinheiro nas nádegas, 20 milhões de desempregados, governador aliado do Presidente envolvido em escândalos e corrupção, esquartejamento e venda da Petrobrás, política externa podre, que briga com a China, nosso maior parceiro comercial, briga com a Argentina, nosso maior parceiro no continente, uma loucura. Um pseudopresidente da República tosco, que lambe botas do presidente americano, lambe botas de Israel, é contra a vacina e vira garoto propaganda da indústria farmacêutica. E seria cômico se não fosse trágico, o sujeito agora assumir seu lado comediante fazendo stand up comedy: “Acabei com a Lava Jato porque no meu governo não tem corrupção”. Será que ele achou que a plateia iria gargalhar? Saco! E o melhor da visita presidencial a Resende nesses dias, foi mesmo a postagem de vídeo da mulher que passou num carro e o “cumprimentou” com aquele…pau…

Foto: Arquivo

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.