Militantes de Resende dizem não à celebração do 31 de Março

Neste domingo, dia 31, é relembrado em todo o Brasil uma das datas mais tristes da história do país. Mesmo em Resende, município que é considerado o berço da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) – que tem origem em uma das instituições mantenedoras do golpe de estado decretado em 1964 -, militantes de diferentes partidos políticos se uniram.

Isso mostra que Resende – que é nitidamente uma cidade conservadora – foi pra rua mostrar que muita gente pensa diferente daqueles que exaltam a ditadura, instituída há 55 anos, que durou 21 anos e acabou com a vida de muitas pessoas que pensavam diferente do governo, assim como a de seus familiares. Fora as marcas sócio-econômicas sentidas nos anos seguintes.

O manifesto, realizado na Esplanada Ministro Dutra, em frente à Aman, foi uma resposta ao ato promovido pelo presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), que determina a comemoração da data nas Forças Armadas, o que vem gerando polêmica e muitas críticas por parte de instituições e da própria sociedade.

A iniciativa gerou liminar proibindo a comemoração (posteriormente derrubada neste sábado, dia 30), e até mesmo denúncia na Organização das Nações Unidas (ONU) por parte de instituições como o Instituto Vladimir Herzog (criado em memória a um dos jornalistas mortos durante a ditadura, com o objetivo de engajar a sociedade pelos valores da democracia, direitos humanos e liberdade de expressão) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Nas redes sociais, existe uma mobilização contra a ato do governo e das Forças Armadas denominada #DitaduraNaoSeComemora, que lidera neste domingo a lista de assuntos mais comentados no Brasil, com postagens inclusive de famosos que passaram por esse período negro da história.

Foto: Divulgação/Redes Sociais

Você pode gostar

3 thoughts on “Militantes de Resende dizem não à celebração do 31 de Março

  1. A cada geração, muitos jovens são levados a proferir, sem estudo sério, sem fundamentação histórica, as palavras-gatilho “ditadura nunca mais”, “torturadores”, “fascistas” e outras impropriedades que encerram qualquer possibilidade de um sadio e produtivo diálogo.

    E alguns desses seres, seduzidos ideologicamente, prendem-se no seu labirinto mental e envelhecem no tempo e no conhecimento, endurecendo o coração a ponto de negarem a necessária ciência quanto ao papel desempenhado pelas Forças Armadas na década de 60.

    Se você vive neste país em que ainda subsistem certas liberdades e alguma forma de democracia deve isso a homens que atenderam o chamado da Nação Brasileira, o grito de nosso povo que foi às ruas.

    Desconhecer algo, ignorar fatos, é próprio da natureza humana, mas a negação do encontro com a verdade é, por vezes, tolice, por outras, prova de mau-caratismo.

    Temos muito a melhorar. A atitude inicial está sob nossa responsabilidade, isto é, sob os cuidados de cada cidadão.

    Robson Jaques

  2. Uma parte que foi dita sobre este movimento do dia 31/03/2019.
    (“militantes de diferentes partidos políticos se uniram.”).
    Na minha opinião é isto que faz a diferença. Todos unidos pela a mesma causa. É isto que manda, deixar o meu eu de lado e irmos juntos pela a mesma causa. Causa essa que é contra a ditadura, causa esta que ,e pela a melhora de nossa cidade, e etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.