Os problemas da Itapuca não param

Ainda sobre os problemas do bairro Itapuca em Resende, reportagem iniciada semana passada, que os moradores enfrentam, esta semana o destaque é para a saúde: o esgoto a céu aberto que passa no quintal de moradores (foto), e a construção de um novo posto de saúde que atenda mais pessoas. O primeiro problema é sobre um canal de esgoto a céu aberto que passa por diversas ruas do bairro e no quintal de muitas casas. O esgoto que vem do canal da Cidade Alegria e desemboca no Rio Paraíba do Sul não é tratado, mas a cobrança na conta de água é mensal. O que afeta principalmente a saúde dos moradores, correndo o risco de contrair doenças e a aproximação de animais peçonhentos e transmissores de doenças.

Outro problema destacado pelos moradores é o jogo de “empurra-empurra” que acontece entre Prefeitura e Água das Agulhas Negras. O morador Antonio Nogueira, 35 anos, disse que ele próprio já foi na prefeitura fazer a reclamação, porém lá é informado que essa situação tem que ser vista com a Águas das Agulhas Negras, “e assim eles ficam me jogando de um lado pro outro e o problema não é resolvido. Eu tenho crianças que moram na minha casa e são expostas a doença mais facilmente, afirma o morador.

Em nota a Concessionária Águas das Agulhas Negras informou  “que, toda a região do bairro Itapuca é servida por rede coletora de esgoto sanitário e também possui quatro elevatórias que bombeiam o efluente para a Estação de Tratamento de Esgoto Alegria. Ocorre que alguns imóveis foram construídos abaixo do nível da rua, consequentemente, abaixo do nível da rede coletora de esgoto. Sendo assim, esses imóveis despejam seu efluente no canal existente, porém, cabe ao morador interligar o esgoto para a rede disponível. Ressalta-se que de acordo com a Lei Federal 11.445/2007, que rege o saneamento básico no Brasil, toda edificação que possui rede coletora na testada do imóvel é obrigada a se interligar, já que o serviço é disponibilizado pela Concessionária, porém alguns moradores insistem em não realizar a interligação para não serem onerados pelo serviço. Etodas as ligações reclamadas, onde é identificado em vistoria técnica a não existência da rede coletora, a empresa avalia o caso sobre a cobrança da tarifa.

Saiba mais sobre os problemas do bairro no jornal BEIRA-RIO. Assine já!

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.