Ensaio sobre a cegueira: MENTIRA

Semana passada, Pinóquio mor, o inominável, já com um nariz que se prolonga quilometricamente, usou a cadeia de Rádio e TV para despejar um descalabro de mentiras sobre a população. Teve gente que acreditou que somos um dos quatro países que mais vacinaram no mundo. Mentira do Pinóquio. Estamos em 58º no ranking que contabiliza o número de vacinas para cada 100 habitantes que é o que vale. O tal 4º lugar é em números absolutos. Ele não disse que em 3º lugar está a Índia, que todos nós sabemos, é hoje um exportador de variantes da Covid-19. E viva o Consórcio dos Governadores do Nordeste, que acaba de conseguir aprovação para compra da Sputnik V e conseguiu também que o país consiga adquirir as vacinas da Pfizer, já que o Governo Federal não respondeu a 53 contatos feitos pelo laboratório para acertar a venda de vacinas. Muitas vidas teriam sido poupadas e hoje estaríamos longe da marca de quase meio milhão de mortes.

Ensaio sobre a cegueira: GANÂNCIA
E sobre os tais 53 contatos da Pfizer, enviados ao governo e direto ao gabinete presidencial, e que foram ignorados, mais umas coisinhas incríveis. A Pfizer ofereceu vender ao Brasil vacinas pela metade do preço vendido aos Estados Unidos, ao Reino Unido e à União Europeia, mas a oferta foi recusada pelo governo Bolsonaro. Segundo o depoimento à CPI do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, o governo qualificou a proposta da Pfizer como “agressiva”, apontou entraves em cláusulas do contrato e disse ter considerado muito elevado o preço de US$ 10 por dose. EUA e Reino Unido pagaram cerca de US$ 20 pelas doses da Pfizer. Os dois países já imunizaram mais de 40% da população com duas doses de várias vacinas. Na União Europeia, as doses do laboratório norte-americano custaram US$ 18,60. A comparação dos valores das doses de vacinas foi publicada pela “Folha de S. Paulo”. A Pfizer venderia a vacina pela metade do preço para nosso país, porque queria fazer daqui a maior vitrine do seu produto para o mundo. Todos saberiam do sucesso da vacina da Pfizer no Brasil. Imaginem quantas vidas seriam poupadas se o governo comprasse as vacinas no ano passado! Eram 70 milhões de doses. PS: O deputado federal Orlando Silva postou no Twitter: “Tem gente comemorando muito a pandemia. A fabricante da ivermectina teve crescimento de 750% na venda do produto ineficaz contra a Covid. O faturamento saltou de 116 milhões para 1,6 bilhão. Não é tratamento, é enriquecimento precoce. Tem gato nessa tuba”. Pra terminar: se não compraram a vacina para vender a Ivermectina e a Cloroquina para alguém ganhar dinheiro, aí o erro pode ser interpretado como crime. Muitos morrendo para uns poucos ganharem muito dinheiro.

Ensaio sobre a cegueira: TERROR
“É chegada a hora de nós, intelectuais, livres-pensadores, judeus e judias progressistas, descendentes das maiores vítimas do regime nazista, nos posicionarmos, como atores sociais diante do debate público sobre o atual momento nacional”. Isso foi o que disseram intelectuais judeus, que assinam um manifesto que carimba Jair Bolsonaro como nazista”. Folha de SP, de 30/05/21. Os mais de 230 profissionais e intelectuais judeus assinam o documento afirmando que o governo Bolsonaro “tem fortes inclinações nazistas e fascistas”. Entre os signatários estão a historiadora Lilia Schwarz, a psicóloga Lia Vainer Schucman e o cineasta Pedro Farkas. Entidades representativas da comunidade judaica no Brasil e em outros países já criticaram em diferentes ocasiões o uso político de termos relacionados ao Holocausto por autoridades do governo brasileiro considerando-o profundamente ofensivo ao mundo judeu e às vítimas e sobreviventes do terror nazista. É preciso chamar as coisas pelo nome, repetem.

Ensaio sobre a cegueira: PERDÃO
Agradeço, ao grande escritor português, Prêmio Nobel de Literatura, José Saramago pela grande obra, a qual, eu, sem permissão faço uso de reflexões e interpretações. Quem, por convicção política, votou no inominável que está hoje na Presidência da República, tudo bem. Nada a dizer aos que se aceitam como racistas, homofóbicos, elitistas. Mas aqueles que não costumam frequentar as páginas de Política e de História e foram cooptados pela propaganda mentirosa e votaram nele para repelir o que acreditavam ser um inimigo, esses, ainda tem tempo de mudar. Muitos por sinal, já reconheceram o erro e mudaram de posição. As pesquisas já demostram o fato. Não há vergonha nisso. Afinal, errar é humano. É como diz Saramago: “Se queres ser cego, sê-lo-ás”. “É desta massa que nós somos feitos, metade de indiferença e metade de ruindade”. Mas: “A pior cegueira é a mental, que faz com que não reconheçamos o que temos pela frente”.

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.