Esporte e pandemia: biker revela que rotina de treinos pouco mudou

Pedrinho segue treinando normalmente fora de casa, mas em horários pouco movimentados (Foto: Divulgação)

No último dia 11 de março, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou oficialmente que o planeta passa por uma de suas maiores pandemias da história. Com os primeiros casos descobertos em Wuhan, na China, o novo coronavírus – de rápido contágio – se espalhou pelo mundo em menos de três meses, e obrigou muitos países, inclusive o Brasil, a interromperem atividades e eventos esportivos, até mesmo competições importantes em diferentes modalidades, como os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Na região, a realidade não é muito diferente. Eventos promovidos por federações esportivas e também por empresas de comunicação foram adiados ou cancelados, assim como treinamentos em academias, quadras e estádios estão proibidos. As medidas afetaram os atletas de todas as modalidades, e também os planos do biker Júlio Mauro, mais conhecido como Pedrinho Alves.

Desde criança, sempre praticou esportes. Jogou no núcleo do Vasco da Gama, em Resende, e sonhava em ser jogador de futebol. Mas esbarrou na falta de um empresário para gerir a carreira e acabou se dedicou à modalidade amadora por vários anos, jogando nos campeonato de bairro locais. E posteriormente trocou o futebol pelas academias. Atualmente está participando de competições de mountain bike.

– Foi por incentivo da minha mulher (a psicóloga Magda Barreto Rocha), que me apresentou ao mountain bike. Mas fui o único a querer investir em uma carreira mais competitiva. Já a Magda só pratica spinning (modalidade praticada nas academias em que são utilizadas bicicletas sem rodas). Até tinha condições físicas pra ser um jogador de futebol profissional, mas não tive apoio – respondeu Pedrinho.

A psicóloga justificou o porquê de não acompanhar mais o marido nas pedaladas fora de casa. “É mais por questão de segurança, já que no spinner estou pedalando do mesmo jeito, só que em casa”.

Após adotar o mountain bike como sua modalidade de alto rendimento, Pedrinho participou de seis provas em competições como a Copa Vale do Paraíba e o Circuito Agulhas Negras de MTB. Sua melhor colocação foi um sétimo lugar na etapa da Visconde de Mauá do circuito na categoria Sub 40 Pro (76 km). Atualmente desempregado, já ganhou a medalha de ouro nos Jogos da Amizade, promovidos pelo Sesi, quando ainda trabalhava para a montadora Peugeot Citroen, em Porto Real.

Depois que pediu demissão da empresa onde trabalhava, o atleta ganhou mais tempo para se dedicar aos treinamentos, mesmo antes da pandemia, que obrigou as autoridades a decretarem restrições no direito de ir e vir da população. “Antes, a rotina de treinamentos era depois do trabalho. Assim que chegava em casa, através da planilha do consultor executava e passava via aplicativo Strava. Era mais difícil no começo, pois tinha a rotina do trabalho mas sempre fui disciplinado e focado. Treino variava de intensidade mais carga horária”.

Com o atual momento, a rotina pós-desemprego pouco se alterou. A diferença é que Pedrinho tem ficado mais atento às recomendações do Ministério da Saúde e procurado se cuidar bem mais com a alimentação. “Sobre os treinos continuo com a mesma pegada. A nossa rotina é mais caseira, ainda mais que a Magda pode trabalhar em casa. Eu fico administrando a casa e treinando sempre de manhã”, acrescenta.

Os treinos nos últimos meses têm acontecido, segundo Pedrinho, quase que normalmente, já que ele treina sozinho na rua e em horário mais tranquilo no trânsito. A única diferença é que ele teve que alugar mais um bicicleta de spinning pra treinar dentro de casa em dias de chuva.

– A pandemia não atrapalhou minha rotina de treino e por eu treinar sozinho fica mais fácil de realizar os treinos, mesmo em tempo difícil – conta.

Pedrinho aproveita o momento em que todo o planeta atravessa uma grave crise na área da saúde para passar uma mensagem de esperança, e pedir para que as pessoas se cuidem. “Primeiramente, (peço) que toda a sociedade tenha muita luz, empatia e muita força espiritual para podermos passar deste para outro momento, acredito que será bem melhor se assim quisermos. Vamos nos cuidar e não esquecer de usar a máscara, e ajudar as pessoas mais carentes e doentes!”, concluiu.

COMPETIÇÃO CANCELADA
A situação atual passada pelo planeta também cancelou por tempo indeterminado uma competição da qual Pedrinho estava se preparando, e que estava prevista pra acontecer no dia 29 de março (o jornal BEIRA-RIO realizou a entrevista no dia 13 de março). Por estar desempregado e apenas dependendo do dinheiro do seguro-desemprego, o atleta segue em procura de patrocinadores para que possa investir na realização de seu sonho de alcançar os pódios das competições assim que o período de confinamento da pandemia passar. Os interessados em apoiar Pedrinho poderão entrar em contato pelos telefones (24) 9975-7067 ou 98122-0504.

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.