MST e Levante Popular da Juventude promovem ação solidária no Dia do Trabalhador

Divulgação do evento nas redes sociais (Foto: Reprodução)

Na próxima sexta-feira, dia 1º, quando é lembrado o Dia Internacional do Trabalhador (que este ano será diferente devido a pandemia do novo coronavírus), será realizada no bairro Baixada Olaria, em Resende, uma iniciativa que tem como um de seus objetivos “levar uma alimentação saudável e de qualidade, escoando a produção dos pequenos agricultores para quem mais precisa, assistindo e dialogando com a população de rua de Resende sobre as orientações de saúde e direitos nesse período de grave crise”. Este é o Marmita Solidária, que estará distribuindo cerca de 100 marmitas a moradores em situação de rua a partir das 18 horas.

– A Marmita solidária terá seu início dia 1º de maio. É uma iniciativa nacional do Armazém do Campo, na qual a campanha está inserida e que nós do Levante estamos apoiando e ajudando na construção em todo o estado. Aqui na região irá ocorrer em Resende, na Baixada Olaria, bairro com grande quantidade de pessoas em estado grave de vulnerabilidade social e econômica. As marmitas serão preparadas pelo MST no assentamento irmã Dorothy (Quatis) – explica um dos militantes do Levante Popular da Juventude, Felipe Luís Nunes Silva.

Trabalhadora do Irmã Dorothy participará de ação (Fotos: Divulgação)

Para a coordenadora da região Sul Fluminense do MST, Edneia Pinto Araújo, garantir a soberania e segurança alimentar é um princípio do movimento. “Sendo assim, em tempos de pandemia, onde a solidariedade deve ser um pilar da classe trabalhadora, o MST a nível estadual está organizando diversas ações nesse dia, dentre elas a distribuição das marmitas solidárias, unindo campo e cidade”, acrescenta.

A ação será realizada ao lado do Posto de Saúde da Baixada Olaria, sendo uma continuidade do trabalho já realizado na vizinha Quatis. “Nós do assentamento irmã Dorothy já realizamos doações semanais na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, em Quatis, com alimentos in natura da nossa produção. A ação de 1º de maio é uma iniciativa para marcar o dia de luta das trabalhadoras(es), não tendo ainda uma organização para se tornar periódica. Mas pode ser sim um projeto para o futuro envolvendo os assentamentos da região Sul Fluminense”, respondeu a coordenadora, questionada sobre a possibilidade de se estender a iniciativa de forma periódica.

Além do assentamento Irmã Dorothy e do Levante, também estarão participando dessa ação os assentamentos Roseli Nunes e Terra da Paz, ambos localizados em Piraí. Toda a logística está sendo organizada pelo MST da região juntamente com o Levante, sendo os produtores rurais dessas localidades responsáveis pela organização das marmitas e dos alimentos que nela serão servidas.

Itens de cestas básicas passam pela higienização de integrantes do Levante (Foto: Divulgação)

DISTRIBUIÇÃO DE CESTAS BÁSICAS
Além de estar apoiando a causa do MST em prol dos moradores de rua, ao mesmo tempo os integrantes do Levante – que criaram em 2015 a campanha anual “Nós por Nós” inspirada pelos ideais de solidariedade do povo latino-americano – não está apenas ao lado deles e dos trabalhadores sem-terra, mas também de outros grupos afetados economicamente pelas atividades interrompidas pela pandemia do novo coronavírus arrecadando alimentos, produtos de limpeza, montando cestas básicas e doando para comunidades de baixa renda (o material é todo higienizado para prevenir o contágio).

– Assim, resgatamos o espírito da campanha e estamos construindo a Nós por Nós contra o Coronavírus como uma resposta dentro da conjuntura atual que vivemos: estamos passando por uma crise econômica que já vinha se arrastando há alguns anos, presenciando um colapso em nosso sistema sanitário e temos um presidente irresponsável que tem atuado de forma criminosa no combate a essa pandemia, com propostas contrárias às recomendadas pelos médicos, sem preocupação nenhuma com a vida e a saúde da população. Nossa campanha de solidariedade vem na urgência de organizar o povo para dar respostas à esse cenário e proporcionar o mínimo de dignidade para a população mais carente – cita Luís Felipe.

De acordo com ele, a campanha tem por objetivo estimular ações solidárias por parte do povo, seja na captação de recursos para garantir as cestas básicas, seja nas etapas de processamento e distribuição. “Nós temos construído uma rede de apoio solidário com a Campanha, nela juntamos quem quer ajudar com quem precisa de ajuda, fazemos essa ponte através das ‘caixinhas solidárias’ e da contribuição financeira individual”, completa.

O trabalho do Levante também conta com a parceria do MST e de outros parceiros como a Frente Brasil Popular, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e o Movimento dos Trabalhadores por Direito (MTD), dentre outros setores da sociedade civil que colaboram com todo circuito e processo da distribuição das cestas.

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.