Professores enviam carta aos pais

O Sepe e APMR divulgaram uma carta – leia abaixo – aos pais de alunos rebatendo o informe distribuído pela Secretaria de Educação no dia da paralisação dos professores, dia 22, quando reivindicaram melhores salários e valorização do profissional da Educação.

RESPOSTA AOS ALUNOS E OS PAIS

A CARTA DESTRIBUIDA PELA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

           Aos pais e responsáveis dos alunos da Rede Municipal de Ensino: em resposta a Carta que foi distribuída pela Secretaria de Educação sobre o Movimento de Paralisação dos Profissionais de Educação no dia 22/05 (quarta-feira da semana passada).

            O primeiro ponto que queremos abordar é a questão salarial – o professor teve apenas 7,5% de aumento e não 17,5% como afirmam. Os outros 10% foram dadas como gratificação, que o professor pode perder a qualquer momento, se ficar doente, e por algum motivo ter que se ausentar da sala de aula. Além disso, essa gratificação não contempla os aposentados, readaptados (por motivos de doença) e licenciados. Por exemplo: uma professora que entra de licença maternidade perde essa gratificação. Portanto, gratificação não é aumento e pode ser retirada a qualquer momento pelo prefeito.

Outro ponto importante que estamos tentando entender, é de como a Secretaria de Educação chegou ao percentual de 81% de aumento nos últimos 5 anos. Para começar, o atual governo ainda não tem 5 anos de gestão para contabilizar esse tempo de aumento, e esses tais “81%” não chegaram aos contra-cheques dos Professores, sendo um terrível engano por parte do governo afirmar tal coisa, ou uma simples estratégia para jogar pais e alunos contra os Professores, dando informações que estão longe da realidade salarial.

            A verdade é que a cidade de Resende, uma das mais ricas e possuidoras das maiores arrecadações do nosso Estado, não investe no que há de mais precioso e representa o futuro dessa cidade que é a Educação de nossos filhos. Com a política de baixos salários feita pela Prefeitura, pois que antes desse aumento de 7,5%, um professor(a) recebia um pouco mais que 700 reais para educar nossas crianças! Isso significa quase o salário mínimo pago por uma Prefeitura que tinha na sua plataforma política o “futuro que estava apenas começando”.

            E sobre a Paralisação – ela é justa e legal – a constituição de 1988 estabelece como legítimo e democrático o direito de organização de classe  e o direito de greve.  E o dia 22 ficou longe de ser um dia normal nas escolas Municipais, visto que 336 professores estiveram na passeata na beira rio e no ato público no Calçadão.

            Estamos lutando pela melhoria da qualidade da Educação em nossa cidade, um direito de todos os cidadãos, e para isso os Profissionais de Educação precisam ser valorizados com salários dignos à nobre função de Educar. Contamos com compreensão de vocês: pais e responsáveis dos alunos e de todos os cidadãos, pessoas de bem de nossa cidade, pela luta por uma educação pública de qualidade.

 SEPE (Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação)
APMR (Associação dos Professores Municipais de Resende)

 

Você pode gostar

One thought on “Professores enviam carta aos pais

  1. Na verdade, é cada um lutando pelo seus direitos, de um lado os professores e de outro o município ou estado. Enquanto isso, prejudicados ficam os alunos inocentes no meio da luta por direitos. O que os alunos tem com isso??? Vergonha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O limite de tempo está esgotado. Recarregue CAPTCHA.