24092017

Morte e caos nos Estados Unidos após passagem de Irma

Tamanho do texto »

Irma chega a Flórida (EUA) e deixa quatro mortos.

Nesta segunda-feira, dia 11, o furacão Irma, que deixou um rastro de destruição em Cuba, na região de Havana, que ficou completamente de baixo d’água, perdeu mais força ao chegar nos Estados Unidos, mas ainda causou quatro mortes na Flórida.

Irma deixou ao menos 27 mortos no Caribe, além de cortes de energia elétrica e a evacuação de mais de 1 milhão de pessoas. A uma agência de notícias,  Yanmara Suárez disse que a chegada desse furacão é uma catástrofe, pois muitos prédios não estavam preparados para o dilúvio que caiu sobre o local.

O fenômeno agora foi rebaixado à categoria 1 na escala que mede a intensidade de furacões, com ventos que vão até 120 quilômetros por hora, com expectativa de que se enfraqueça ainda mais até o final do dia, passando a ser considerado uma tempestade tropical, com ventos entre 51 a 118 quilômetros por hora e, na terça, transforme-se em uma depressão tropical.

Imagem de pessoas andando pelas ruas inundadas após passagem de Irma a Havana, Cuba.

Em Havana, as autoridades informaram que os ventos atingiram cerca de 150 quilômetros, provocando ondas sem precedentes. Mercedes López Acea, presidente do Conselho de Defesa Nacional de Havana, disse à televisão nacional que “o mar avançou como nunca visto antes”, além de relatar sobre várias quedas de árvores, assim como danos à rede elétrica. A maior parte dos bairros da capital ficou sem luz no domingo de manhã e o sistema de distribuição de água e rede telefônica por cabo também foram interrompidos.

Ainda, o mar invadiu o emblemático Malecón de Havana, e a água penetrou algumas zonas da capital em mais de 500 metros.

Nos Estados Unidos, Estado da Flórida, quase 6 milhões de pessoas se encontram sem energia, de acordo com informações do gabinete do governador Rick Scott. Os danos provocados pela passagem de Irma ao local ainda não são possíveis de serem mensurados.

O governador ainda pediu, em virtude da falta de informações mais concretas sobre danos e segurança, que as pessoas que foram retiradas de suas casas não retornem sem o aviso prévio das autoridades, com intuito de evitar maiores tragédias.

Mais de 6 milhões de pessoas na Flórida receberam ordem de evacuação antes da chegada do furacão.

Fonte: Valor Econômico/Isto É

Foto: Terra/G1

Deixe um comentário

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.