19082017

Briga entre vizinhos

Tamanho do texto »

O vizinho de baixo abre a janela e escancara a boca para reclamar. A essa altura já declara guerra. Quer resolver no braço a pendenga da barulheira noturna que vai invadindo também o raiar do dia. O sujeito já arregaçou as mangas do pijama e grita para que seu oponente, o dono da farra, apareça. Parece que a coisa se desenrolará num combate pelos corredores do sétimo andar, entretanto, para descontrole completo da parte que reclama o sono perdido, o vizinho festeiro sequer se aproxima do limite do para peito. Desconsiderado o sujeito cuja madrugada não teve a dormência do sono tampouco a remelexo de músicas dançadas, desfecha palavrões em série, se transformando assim em uma submetralhadora atirando centenas de mal dizeres e ofensas por minuto.

E agora o prédio todo vai se envolvendo em torno da briga. A mãe que passou a noite acordando a cada três horas para dar o remédio ao filho, o senhor que chegará ao mercado assim que as portas estiverem abertas, o rapaz do quinto andar que acaba de voltar de um bar, o homem que acorda para fumar seu cigarro – com ou sem briga no prédio vizinho -, o casal que aproveita o domingo e namora às 6h da manhã, o cronista que poderia dormir até as 10h, mas faz questão de acordar e fazer logo o seu café.

Depois de promessas de caras quebradas o festeiro continuou sem se pronunciar. E como diz o ditado “se um não quer dois não brigam”, o silêncio voltou a reinar. A mãe foi descansar, o senhor foi ao mercado, o rapaz bebeu um copo d’água, o homem fumou outro cigarro, o casal dormiu o sono de depois do amor e o cronista foi logo trabalhar, porque o mundo não tem hora certa para a crônica.

Rafael Alvarenga
Escritor e professor de Filosofia
ninhodeletras.blogspot.com.br

Deixe um comentário

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.