24042017

Professores são incluídos em grupo prioritário de vacinação contra gripe

Tamanho do texto »

vacinagripe2Começa nesta segunda-feira, dia 17, a Campanha Nacional de Vacinação conta a Influenza (Gripe). E a novidade deste ano é que os professores das redes pública e privada passam a fazer parte do grupo prioritário de imunização, que já incluía pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos (quatro anos, 11 meses e 29 dias), grávidas e mães até 45 dias após o parto, detentos, indígenas e profissionais da saúde, além de portadores de doenças crônicas.

A ação que beneficiará os docentes – que serão vacinados entre os dias 2 e 3 de maio nas instituições de ensino – ocorrerá no âmbito do Programa Saúde na Escola, que prevê o acompanhamento e regularização das coberturas vacinais da população. A estimativa do Ministério da Saúde é de que cerca de 2,3 milhões de professores sejam imunizados nos postos de saúde de todo o país. Ainda de acordo com a Secretaria de Estado de Educação (Seeduc), nesse programa serão incluídos adolescentes de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas. A escolha dos grupos prioritários segue recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Ministério da Saúde e da Secretaria de Estado de Saúde.

A vacina permite a proteção contra os vírus A(H1N1), H3N2 e influenza B. Como os vírus são mutantes, a composição da vacina é feita somente depois da indicação da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre as cepas (variações dos vírus) que circularam com mais frequência nos últimos meses na região. Segundo a OMS, em 2016 a cepa do vírus A(H1N1) foi alterada, o que levou à produção de uma nova composição para a campanha deste ano.

Cerca de 60 milhões de doses serão distribuídas aos postos da rede pública de saúde. O Ministério da Saúde espera que pelo menos 54 milhões de pessoas sejam imunizadas até o dia 26 de maio, prazo final da campanha. O dia D da mobilização será em 13 de maio.

O principal objetivo da campanha é reduzir as hospitalizações e a ocorrência de mortes relacionadas à influenza. Segundo o Ministério da Saúde, estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de internações por pneumonia e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da gripe. Em 2016, o país registrou a maior incidência dos casos de gripe desde a pandemia iniciada em 2009. Mais de 2.200 pessoas morreram no ano passado por problemas relacionados à gripe. De janeiro a abril deste ano ocorreram 48 mortes.

Apesar de a incidência de casos estar num ritmo bem menor do que o registrado no ano passado, o Ministério da Saúde alerta para a necessidade de se vacinar o quanto antes e garantir que a proteção seja efetiva no período de maior vulnerabilidade, o inverno. Além de buscar a imunização, o Ministério recomenda que a população lave as mãos várias vezes ao dia, cubra o nariz e a boca ao tossir e espirrar, evite tocar o rosto, não compartilhe objetos de uso pessoal, mantenha os ambientes bem ventilados e evite a permanência em locais com aglomeração.

Na Região das Agulhas Negras, a campanha já começou nesta segunda em Quatis. Em Resende, começa na terça-feira, dia 18.

Foto: Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil

Fontes: Agência Brasil e Assessoria de Comunicação Social (Seeduc)

Deixe um comentário

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.